Pular o menu
 

!magine

Fanfic: O Destino dos Obstinados — Capítulo 5

:: 8 minutos de leitura

Xù Fèng acaba se encontrando com o Deus do Casamento e decide perguntar quem é a sua futura esposa. Não satisfeito com a resposta, ele decide ir contra seu destino, não parando para pensar em suas consequências e quem poderia ser afetado por causa das suas escolhas.

MellAutor(a)

Mais de 15 dias se passaram desde aquele bendito jantar.

Xù Fèng vinha tentando arrumar coragem para conversar com Jǐn Mì desde então; porém, quando ele a via, tudo o que saía de seus lábios eram cumprimentos formais e alguns sorrisos breves.

Era irônico saber que o segundo Príncipe estava querendo se aproximar de quem ele mais queria se manter afastado nos últimos tempos. Às vezes, ele se pegava pensando como as coisas teriam sido se ele não tivesse encontrado Yuè Lǎo naquela noite. Ou o que teria acontecido se ele não tivesse sido tão rude com Jǐn Mì na festa de aniversário dele. Ele não iria mentir, a sensação de saber que o destino estava tentando atraí-lo até Jǐn Mì de alguma forma era assustadora, então o que teria acontecido se ele permitisse que ela se aproximasse? Talvez ela nem mesmo estivesse servindo Rùn Yù neste momento.

Contudo, era tarde demais para se arrepender, agora a merda já estava feita.

E ele não fazia a mínima ideia de como sairia dessa situação sem causar um escândalo. Afinal, não importavam suas razões, Jǐn Mì poderia interpretar sua tentativa como uma demonstração de ciúmes, ela poderia comentar isso com outras pessoa e então a notícia se espalharia de que o segundo Príncipe pretendia trair ou até mesmo abandonar Suì Hé, a tão famigerada líder da Tribo da Ave e sua atual noiva. Ele não podia desonrá-la de tal forma, mas não lhe restavam muitas opções.

Decidido a ter uma conversa franca com Jǐn Mì, Xù Fèng caminhou a passos curtos, mas firmes, até o palácio de Rùn Yù, e, como o esperado, foi Jǐn Mì quem o recebeu, já que ela era uma das servas responsáveis pela recepção.

— Boa tarde, Vossa Alteza — após uma breve reverência, ela prosseguiu — Imagino que deseja conversar com o primeiro Príncipe. Por favor, aguarde alguns minutos aqui, eu irei até ele avisá-lo sobre sua vinda.

— Espere — ele pediu, antes que ela se virasse e se retirasse do salão de recepção — Não é com ele que tenho assuntos a tratar desta vez, é com você que eu quero falar.

— Comigo? — ela apontou para si mesma, fazendo uma expressão tão surpresa e perplexa que chegava a ser cômica. Xù Fèng apenas assentiu — Bom, então… Acho melhor procurarmos um lugar mais reservado para conversarmos.

Jǐn Mì o levou para a sala que deveria ser usada como seu escritório, mas ela a transformou em uma pequena sala de estar com um ar aconchegante e humilde.

— Eu não faço a mínima ideia de como você vai interpretar isso, então já adianto que não tenho segundas intenções, apenas quero te alertar sobre algo, ou melhor, alguém — ele fez uma breve pausa para escolher as palavras certas, e Jǐn Mì foi ficando cada vez mais apreensiva — Alguns dias atrás, naquele jantar que eu e minha família tivemos aqui, meu irmão revelou que tinha a intenção de se casar com você — ele preferiu omitir a parte de Luòlín, pois não queria alimentar as esperanças de que Jǐn Mì pudesse ter um pai — Imagino que ele não tenha te contado nada sobre isso, certo? — ela concordou e deixou que Xù Fèng continuasse — Eu sei que pode ser difícil de acreditar, mas por baixo daquela máscara gentil e dócil dele, alguém muito cruel e insensível se esconde. Eu tenho certeza que ele não te ama, que não sente nada por você e com certeza não te fará feliz.

O rosto de Jǐn Mì endureceu e ficou pálido.

— E por que você se deu ao trabalho de vir até aqui me contar isso?

— Porque… — ele abaixou a cabeça. Antes, talvez ele pudesse alegar que era apenas preocupação, mas a sensação de que algo a mais estava envolvido nisso não podia ser ignorada. Ainda assim, ele optou por dizer parte da verdade, apenas por precaução — Porque estou preocupado com você.

— E por que está preocupado comigo? Desde o início, o único que foi cruel e insensível comigo foi você, Vossa Alteza — o desprezo presente em suas últimas palavras pegou Xù Fèng de surpresa.

— Escute aqui — ele segurou seu rosto com uma das mãos e a trouxe para perto dele, obrigando a jovem a olhar em seus olhos — Não importa se estamos no palácio do meu irmão, eu ainda sou seu Príncipe e mereço respeito! Não se atreva a falar comigo dessa maneira! — Naquela altura, já não importava se ele estava sendo estúpido ou não: seu orgulho estava ferido, e Xù Fèng não deixaria isso passar em branco.

O tapa que Jǐn Mì deu em sua mão o deixou tão chocado que ele a soltou sem querer, e a bela jovem se levantou, sentindo seus olhos ficarem marejados.

— Não vou deixar você desonrar o primeiro Príncipe calada! — alguns soluços a impediram de falar por algum tempo, e a indignação de Xù Fèng desapareceu, dando lugar a preocupação e a confusão — Você me tratou de forma rude e cruel desde o início, enquanto Rùn Yù foi compreensivo, me deu um novo lugar para chamar de lar e um trabalho o qual eu tenho orgulho de fazer, então por quê… — Xù Fèng começou a se dar conta do rumo daquela conversa e começou a temer sua própria reação — Me diga, por que foi por você que eu me apaixonei no final das contas? — as lágrimas transbordaram por seu rosto, e sua respiração ficou descompassada. E o segundo Príncipe ficou tão imóvel quanto uma estátua — Você tem uma personalidade horrível! É impulsivo, pavio curto, inconsequente, teimoso… Você tem tudo o que eu não gostaria que alguém tivesse caso pretendesse me casar com essa pessoa e ainda assim… — um soluço a impediu de falar por alguns segundos — E mesmo assim aqui estou eu, sentindo meu peito se encher de alegria quando você olha pra mim, quando sorri, quando demonstra essa preocupação contraditória… Eu odeio você, Xù Fèng! — ela abraçou a si mesma — Realmente te odeio, mas meu coração se recusa a concordar com isso!

E lá estava o destino mais uma vez, mostrando para Xù Fèng que ele não podia controlar tudo o que acontecia em sua vida.

Ele ficou tão focado em não se apaixonar por ela, em mantê-la afastada, que sequer parou para pensar que, da mesma forma que ela o atraía, ele também poderia chamar a atenção dela. E nesses últimos dias, durante todas as vezes que ele tentou dialogar com ela, ele pode ter deixado seu coração ainda mais confuso e carente de sua atenção sem se dar conta disso.

Xù Fèng se xingou, como nunca xingou ninguém antes, por dentro.

Se amaldiçoou tão profundamente que talvez suas próximas gerações pudessem sentir as consequências de tais maldições.

E como ele temeu, aquela declaração o deixou comovido. Nem mesmo Suì Hé quando dizia abertamente que o amava conseguia causar o mesmo efeito que Jǐn Mì causou com aquelas palavras.

Sem pensar duas vezes, Xù Fèng se levantou, foi até Jǐn Mì e, antes que ela pudesse se virar e fugir, Xù Fèng a agarrou e a abraçou com força.

O cheiro de sua destinada lembrava o de uma Dama da Noite, o que era irônico, já que essa era uma flor que costumava florescer a noite, e a noite era responsável por Rùn Yù.

Mas isso não poderia lhe importar menos. Tudo o que importava é que Jǐn Mì estava em seus braços, estava retribuindo seu abraço com a mesma intensidade, e aquilo parecia certo. Ele sentia que, com ela ali, não precisava de mais nada, que já tinha a pessoa mais importante e preciosa do mundo ao seu lado, e era só isso que importava.

— Se eu soubesse que um abraço seu pudesse ser tão caloroso, eu poderia ter feito isso muito antes — ele disse, fazendo Jǐn Mì erguer o rosto para encará-lo.

— Teria feito isso na primeira vez que nos vimos, ao invés de rejeitar meu presente?

— Sim, com certeza — ele deu um sorriso triste e breve — Me desculpe, Jǐn Mì. Eu sei que sou uma pessoa cheia de defeitos e definitivamente não mereço seu amor — ele a afastou, deixando Jǐn Mì ainda mais confusa — E se eu tivesse te aceitado desde o início, você não estaria passando isso agora — então, o grande e tão temido segundo Príncipe do Reino Celestial se ajoelhou perante Jǐn Mì, deixando-a chocada. Xù Fèng nunca se ajoelhava, não o fez nem mesmo quando pediu Suì Hé em casamento, então por que com ela estava sendo diferente? — Eu não tenho o direito de te pedir isso, mas caso me dê uma segunda chance, eu irei mudar. Eu prometo que irei tratá-la como a joia mais valiosa do mundo, prometo olhar para você com a ternura e o carinho que jamais demonstrei ao olhar para qualquer outra pessoa. Então eu te peço, por favor, me deixe entrar em sua vida. Deixe-me fazer parte dela, farei cada segundo valer a pena.

Todo o seu orgulho simplesmente desapareceu. E a vontade de driblar o destino também sumiu junto com ele. O segundo Príncipe sabia muito bem que, se mesmo após tudo o que fez não foi o suficiente para manter Jǐn Mì longe, não era agora que ele conseguiria tal feito. Na verdade, ele nem queria mais isso. Abraçá-la, ouvir seus sentimentos, perceber o quanto era especial para ela, fez Xù Fèng parar de negar o inevitável: o amor de sua vida não era e nunca seria Suì Hé, e, sim, a bela e doce Jǐn Mì, que estava sofrendo muito por seus sentimentos que não foram correspondidos corretamente.

— Claro que irei te perdoar, Vossa Alteza. Eu já o fiz uma vez, então posso fazer de novo, eu só te imploro para que não me machuque mais, meu coração não irá suportar outra rejeição depois do que você acabou de me dizer.

— Prometo que não o farei — ele sorriu abertamente, e Jǐn Mì deu um sorriso mais belo em troca.

Infelizmente, Xù Fèng não poderia passar mais tempo ali com ela igual desejava, então ele beijou a sua testa e com a promessa de que voltaria a vê-la em breve. Rle partiu, deixando uma Jǐn Mì atordoada e ainda mais apaixonada para trás.

😒
Voltar ao topo