Notícias em Geral

ESPECIAL: Jogos Olímpicos na J-Hero – Boxe ou Pugilismo (Parte II)

:: 6 minutos de leitura

Dando sequência ao nosso especial sobre as Olimpíadas começamos a falar dos esportes na Cultura Otaku. O primeiro é o Boxe com os mangás Ashita no Joe e Hajime no Ippo

ESPECIAL: Jogos Olímpicos na J-Hero -Boxe (Parte II)

 

Os Jogos Olímpicos estão chegando e a Rádio J-Hero já entrou no clima! Em nossa primeira matéria especial sobre este grande evento destacamos sua história e algumas curiosidades que envolvem o mundo otakuLink externo. Como prometido, a partir desta matéria falaremos sobre algumas das modalidades esportivas que estão presentes nos Jogos e que fazem parte do repertótio japonês dos famosos – e agora tão recorrentes – sport animes.

Para começar destacamos uma das modalidades esportivas das mais clássicas e antigas no universo esportivo e nas Olímpiadas: o Boxe. Também já tendo sido conhecido como Pugilismo, esse esporte trata da arte de lutar usando os punhos como sua principal arma. Daí o nome pugilismo, pois está vinculado ao conceito de punho.

Desde a Antiguidade o Boxe integra o conjunto de modalidades praticadas pelos heróis-atletas embora muito diferente do que é hoje: cheio de regras e técnicas que promovem o combate sem colocar em risco a integridade física do adversário.

O esporte consiste em dois lutadores em cima de um ringue formado por quatro postes, cordas elásticas e uma plataforma com medidas entre 4,9m e 7m. Sua área de combate mede 6,1m e a altura das cordas deve ser entre 91cm e 1,22m em relação ao chão.

O esporte tem regras distintas quando competido nos Jogos Olímpicos. Enquanto que num torneio oficial organizado por qualquer uma das assossiações de boxe do mundo o vencedor é decidido quando é avaliado pelos juízes se domina o centro de ringue, tem golpes precisos e/ou aplica um nocaute. Nas Olímpiadas vence aquele que conseguir aplicar mais golpes durante o tempo regularmentar mesmo que esses não sejam eficientes.

Compõe a equipe de condução de uma luta os juízes, o árbitro, o médico, o diretor técnico, o cronometista e os assistentes dos lutadores. Em alguns casos há também o locutor. No geral um combate dura dois round de 06 assaltos e um terceiro round com máximo de até 10 assaltos. Dividido entre amador e profissional o esporte possui mais de 20 faixas de competição variando entre as categorias palha (47,7kg) e pesado (86,18kg) na profissional.

ESPECIAL: Jogos Olímpicos na J-Hero - Boxe (Parte II)

 

 

CURIOSIDADES DO ESPORTE

– Nos Jogos Olímpicos Modernos o boxe estreou no ano de 1904 em Saint Louis (EUA);

– De lá pra cá a única edição de Olímpiadas que não teve a modalidade em seu quadro de disputas foi a de Estocolmo (SUE) em 1912 porque na época o país-sede proíbia a prática do esporte em seu território;

– Até a última edição dos Jogos em 2012 (Londres) o Estados Unidos permanece em primeiro lugar no Quadro de Medalhas da modalidade na Era Moderna. São 49 ouros, 23 pratas e 39 bronzes. O Japão ocupa o 27° lugar com 2 ouro e 3 bronzes. Já o Brasil é o 50º colocado com 1 prata e 3 bronzes [Dados das competições masculinas];

– O lutador que mais vezes venceu Jogos Olímpicos foi o cubano Téofilo Stevenson, que venceu três vezes entre 1972 e 1980 na categoria peso pesado;

– Em 2012 (Londres), última edição do evento, as mulheres puderam competir pela primeira vez com a modalidade;

 


O BOXE E A CULTURA POP JAPONESA

ESPECIAL: Jogos Olímpicos na J-Hero - Boxe (Parte II)

(Masami Kurumada iniciou a carreira com um mangá sobre o Boxe. Infelizmente ele nunca mudou os traços de seus protagonistas. Na imagem Ryuuji Takane de Ring no Kakeru)

 

Agora que já conhecemos o esporte vamos a nossa conexão com a Cultura Pop Japonesa e o universo dos otakus! E nada melhor para começar do que viajar no tempo e ir parar em 23 de março de 1970 em frente ao prédio da Editora Kodansha para participar do funeral mais emocionante que a Cultura Otaku já presenciou. O falecido: Toru Rikiishi, um dos boxeadores coadjuvantes na páginas de Ashita no Joe, o mangá de esporte mais celebrado no século XX pelos japoneses.

Contando a história de Joe, um ex-deliquente juvenil que encontra no Boxe o caminho de superação para uma nova vida, o título de autoria de Asao Takamori (roteiro) e Tetsuya Chiba (arte) arrastou milhares de fãs e a imprensa nacional para cobrir e velar a morte de um personagem fictício que nem mesmo era o protagonista da narrativa: o finado Rikiishi.

Rikiishi morre ao ser acertado na cabeça por Joe Yabuki seu maior rival e protagonista da trama, que fica traumatizado com a morte do colega de esporte e decide nunca mais acertar seus adversários na cabeça ficando em desvantagem em diversas lutas até vencer seu novo rival Carlos Rivera fechando o primeiro ciclo de topor dos jovens e adultos japoneses com a modalidade esportiva em 1974 com o fim da serialização de Ashita no Joe.

ESPECIAL: Jogos Olímpicos na J-Hero - Boxe (Parte II)

(O eterno herói Toru Rikiishi será sempre lembrado pelos japoneses e fãs do boxe)

 

A série de mangá rendeu um anime de 79 episódios entre 1970-71 e uma continuação (Ashita no Joe 2) entre 1980-81 com 47 episódios. Dois filmes também foram lançados para os cinemas sendo um em 1980 (Ashita no Joe: Gekijoban) e outro em 1981 (chamado apenas de Ashita no Joe 2).

A série trouxe uma paixão tão forte pelo esporte entre os japoneses, que ainda hoje Joe é considerado uma das celebridades nipônicas mais famosas do país sendo eleito em 2006 como o "Japonês favorito dos animes de TV" sendo citado por 4 das 100 pessoas influentes que votaram.

É tanto que outra personalidade japonesa que se inspirou em Ashita no Joe e no movimento do Boxe no país foi o mangaká Masami Kurumada que escreveu/desenhou Ring no Kakero (1977), que foi o primeiro grande sucesso do pai dos Santos de Atena e deu fôlego de vida para o esporte nos mangás.

Confira a primeira abertura de Ashita no Joe (1970):

 

O outro título que se destaca nesta matéria é outro emblemático mangá que se tornou referência no assunto sport animes quando adaptado e que conquistou os japoneses, mesmo não sendo da forma avassaladora que foi Ashita no Joe. Estou falando de Hajime no Ippo.

Sendo publicado desde 1989 e tendo atualmente 114 volumes divididos em mais de 1120 capítulos feitos, o mangá de autoria de Jyoji Morikawa é publicado pela Editora Kodansha(será coincidência?). Na TV a série ganhou uma adaptação pelo estúdio MadHouse entre 2000-2002 com 76 episódios sendo estes com enredo finalizado no capítulo 30 do mangá. hajime no Ippo teve ainda uma 2ª temporada em 2009 (Hajime no Ippo: New Challenger) e em 2013 sua 3ª temporada (Hajime no Ippo: Rising) uma com 26 e outra com 25 episódios respectivamente.

Além disso a série conta com um OVA (Hajime no Ippo: Mashima vs. Kamura) e um longa-metragem (Hajime no Ippo; Champion Road) e jogos para PlayStation 2, PlayStation 3, PlayStation Portable, Game Boy Advance e Nintendo Wii e figura como um dos títulos mais longevos da indústria de mangás e animes.

Confira a abertura de Hajime no Ippo (2000):

 

Então é isso galera! O Boxe já faz parte da cultura japonesa e com certeza ele virão com tudo para a Rio 2016 em busca do ouro. Inspirados em seus heróis como Joe Yabuki e Toru Rikiishi, o Japão já é um país que pode se dizer que tem tradição no esporte. Mesmo que seja criando bons roteiros (risos).

Até a próxima do nosso especial olímpico e… Sayonara!

 

saylon redator

 

Tags

    Compartilhar

    • Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Telegram
    Você precisa ativar seu JavaScript para acessar os comentários...
    Voltar ao topo