Pular o menu
 

Made in Ásia

InuYasha, conhecendo um pouco da cultura oriental através da obra de Rumiko

:: 7 minutos de leitura

No Made in Ásia dessa semana conheça as lendas por trás do anime InuYasha, obra criada por Rumiko Takahashi, em mais uma matéria da série especial sobre os animes.

Fany-ChanAutor(a)

InuYasha, conhecendo um pouco da cultura oriental através da obra de Rumiko

Yoo minna, como prometido mais uma matéria do Made in Ásia para vocês!

Para fechar o mês, o MiA dessa semana trará um pouco sobre as lendas e referências culturais que estão no anime de InuYasha. A obra de Rumiko Takahashi trás diversas referências a rituais, criaturas e folclore da cultura oriental, tornando-se uma ótima forma de conhecer melhor o lado de lá.

Preparados para mais uma viagem? Então coloquem os cintos e peguem um lanche, pois hoje iremos para o Japão Feudal.

Decolando…

Como já adiantei na introdução, InuYasha foi escolhido para a série de matérias sobre as lendas por trás de animes, por trazer muitas referências da cultura oriental. E quando digo muitas, são muitas mesmo! Para vocês terem uma ideia, todos os nomes dos personagens tem algo relacionado à cultura, também a maioria das armas e ataques utilizados e as espécies existentes.

Um exemplo seria o da Sango, a caçadora de yokais que InuYasha e os demais encontram durante sua viagem em busca de vingança à Naraku. “Sango” significa coral em chinês e este é um dos “Sete Tesouros do Budismo”. “Kohaku”, irmão de Sango, significa âmbar que é outro tesouro.

Entre as armas e ataques, podemos citar, como exemplo, os utilizados pelo monge sem vergonha, Miroku, que sempre carrega um Shakujo, um cajado budista usado tanto para reza, quanto para ataques. Este possui um anel central e os demais são determinados pelo status do usuário, o máximo são seis que representam os seis estados da existência: humanos, animais, inferno, fantasmas famintos, deuses e deuses ciumentos.

Outros objetos utilizados pelo monge do anime/mangá, são as ofudas, encantamentos em tiras de papel ou madeira utilizados para diversas coisas, entre os mais comuns estão selar objetos, afastar youkais e evocar elementais. O nome de Miroku, também trás referência à cultura budista, sendo inspirado em Miroku Bosatsu, o buda do futuro, conhecido como o salvador, o que irá renovar o budismo.

Agora chega de ficar enrolando e vamos logo ao que nos interessa…

Sinopse

InuYasha, conhecendo um pouco da cultura oriental através da obra de Rumiko

InuYasha conta a história de um hanyou de mesmo nome que por muito tempo tentou roubar a Shikon no Tama (Joia das Quatro Almas) de Kikyou, a miko de uma aldeia do Japão Feudal. Seu objetivo era se tornar um youkai completo com a joia, mas com o passar do tempo ele acaba se apaixonado pela miko e, com isso, desiste dessa ideia.

Os dois tentam ficar juntos, mas Onigumo (um homem rancoroso e apaixonado por Kikyou) os separa e os faz lutar um contra o outro. No fim de tudo InuYasha fica selado em uma árvore e Kikyou acaba “morrendo”.

Cinquenta anos se passam no Japão Feudal e de repente uma garota que veio do futuro e muito parecida com Kikyou surge na aldeia. Kagome que sem querer é atacada por um youkai e acaba caindo no poço que fica no templo de sua família encontra InuYasha selado e desesperada tira o selo dele e este a defende atacando o youkai que a estava perseguindo.

E, assim, começa a verdadeira história. Bem, na verdade é um pouco mais para frente, quando a Kagome ao atacar um youkai sem querer acaba acertando a Shikon no Tama e partindo-a em diversos pedaços. Como já dei muitos spoilers, então vou ficar por aqui, antes que alguém tente me matar. :p

Ah, se ficou curioso o Onigumo continua vivo e infernizando a vida de todos até o fim do anime e se você ainda não assistiu o anime vai por mim, ele é um dos vilões de anime mais chatos existentes, não caia na ilusão de que a chatice dele é só temporária e que mais para frente do anime ele será um vilão de verdade.

Shikon no Tama

InuYasha, conhecendo um pouco da cultura oriental através da obra de Rumiko

Começando com o principal do anime, a Shikon no Tama, conhecida aqui no Brasil como a Joia das Quatro Almas é a alma da Sacerdotisa Midoriko junto com milhares de almas de youkais selados. Há muito tempo atrás no Japão Feudal os youkais ameaçavam a existência dos humanos e para derrotar todos, a Midoriko decide selar todos junto com sua alma. E diz a lenda que ela continua a lutando contra as criaturas enquanto a joia não é destruída (no anime).

Mas porque são quatro almas? O nome da Shikon no Tama deriva de Ichirei Shikon (“Um espírito e quatro almas”), que para os xintoístas é a alma humana, também chamada de Reikon (união do espírito com a alma).

A alma é dividida em quatro partes:

Aramitama: é o lado “rude” da alma. Ela a parte física e material que desenvolve o extinto de sobrevivência, por isso, desenvolve a coragem. Mas quando fica em desequilíbrio gera a violência e a agressão.

Nigimitama: o oposto da Aramitama é o lado da “paz”. Ela desenvolve o autocontrole, a colaboração e a aproximação, sendo a parte da amizade. Quando em desequilíbrio gera o apego, o ódio e o egoísmo o que impede o espírito partir para o outro mundo.

Sachimitama: é o lado da “felicidade”. É responsável pelo crescimento, pelo cultivo e desenvolve o amor, o amor em geral, não o amor entre casais. Em desequilíbrio gera a arrogância e o sentimento de superioridade aos demais.

Kushimitama: é a força “sobrenatural” da alma e parte oposta da Sachimitama. Responsável pela compreensão, pelo conhecimento e pelo intelecto, gera a sabedoria. Seu desequilíbrio desenvolve a loucura e a ilusão.

De acordo com anime “quando essas almas são unidas em uma só, em tempos de grande caos, quando o bem e o mal são selados juntos é possível criar uma Shikon no Tama”.

Youkai

InuYasha, conhecendo um pouco da cultura oriental através da obra de Rumiko

Os Youkais diferente do que muitos pensam não são totalmente maus. “You” é facilmente traduzido como “encantador”, “sedutor”, o primeiro kanji que o compõe “onna” significa mulher, já o segundo kanjiyou” significa “morte precoce”, “calamidade”, juntos significaria algo como “a morte de uma mulher precocemente”. E “kai” pode ser traduzido como “mistério”, “aparição”.

Agora juntando todas essas definições temos: “uma jovem mulher morta e misteriosa, geralmente sedutora, que surge do nada”.

Mas os Youkais que tanto conhecemos nos animes não possuem essas características. Na verdade é um termo genérico utilizado para designar todas as formas e criaturas sobrenaturais. Desde fadas e ogros, até demônios e kamis, portanto, a forma pejorativa do termo não é tão aceita lá no oriente.

InuYasha, conhecendo um pouco da cultura oriental através da obra de Rumiko

InuYasha – o personagem principal do anime e que dá o título ao mesmo, não é bem um youkai. Como pontuado no anime ele é um hanyou, metade humano, metade youkai. Na sinopse citei que ele por muito tempo tentou roubar a Shikon no Tama para se tornar um Youkai completo, esse desejo veio para mostrar ao seu meio irmão Sesshoumaru (um youkai) que ele é tão forte quanto.

O InuYasha é inspirado nos Inugamis, youkais do folclore japonês que surgiam de espíritos de cachorros que eram mortos exatamente para se tornarem youkais. Seu nome significa “Cão-Yasha”, aonde “yasha” provavelmente veio dos seres sobrenaturais conhecidos como uma das Oito Legiões guardiãs do budismo.

InuYasha, conhecendo um pouco da cultura oriental através da obra de Rumiko

Naraku – O vilão chato que é composto por diversos youkais que se alimentaram da carne de Onigumo, também tem muita relação com a cultura. Seu nome significa “inferno”, e Onigumoaranha-oni”, literalmente, e é utilizado para identificar a espécie Araneus Ventricosus em japonês.

Esse é o principal motivo de Naraku e todas suas crias terem uma marca de aranha nas costas. Seria a assinatura de Onigumo.

InuYasha, conhecendo um pouco da cultura oriental através da obra de Rumiko

Kagura – A primeira cria de Naraku foi inspirada no rito Kagura, um ritual xintoísta realizado para se fazer uma oferenda a Kami.

Em textos de compilação de mitos xintoístas, conta-se que Amateratsu, a deusa do Sol, brigou com seu irmão Susanoo e se escondeu dentro de uma caverna trazendo escuridão ao mundo. Certo dia Ame-no-Uzumi, a deusa da alegria e da dança, convidou todos os outros kamis para uma festividade. Amateratsu ficou curiosa e finalmente deixa seu esconderijo para ver o ritual, trazendo luz novamente ao mundo.

De acordo com a lenda, o ritual Kagura, deriva dessa festividade. Nesses rituais as sacerdotisas xintoístas cantam e dançam com leques e sinos nas mãos. Provavelmente veio daí a arma da personagem de InuYasha. Outra curiosidade é que todos os ataques de Kagura começam com “dança”, exemplo, “Dança das Lâminas do Vento”.

…Pousando, ops ainda não

Como são muitas lendas em torno de InuYasha a viagem de hoje será um pouco maior do que o de costume. Semana que vem nos encontraremos novamente para dar continuidade à viagem e espero vê-los aqui. Agora vou deixa-los com primeira opening do anime “Change the Wolrd”.

Até a próxima matéria. O/

😒

Tags

    Compartilhar

    • Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Telegram
    Você precisa ativar seu JavaScript para acessar os comentários...
    Voltar ao topo