Pular o menu
 

Planeta Z

Koreaboos: a Coreia não é só k-pop

:: 5 minutos de leitura

Koreaboos e a obsessão por uma cultura.

WichitaAutor(a)

“Meu Deus, como eu gosto da Coreia!  Eu gosto muito da Coreia! Sabe por que eu gosto da Coreia? Porque lá tem k-pop, doramas e muitos oppas lindos; e lá é o país perfeito. Eu vou me mudar para a Coreia, encontrar meu oppa, ouvir muito k-pop, comer muito kimchi e viver um romance de dorama! Aigooo~ Como eu queria ser coreana T.T”

Então, amiguinhos. Vamos falar sobre koreaboos.

Tudo bem admirar uma cultura, está tudo bem ser ! Mas existe uma coisa chamada limite.

O k-pop é algo tão fascinante que, às vezes, as pessoas acabam extrapolando, e é aí que rompemos a barreira entre “ser fã” e o “fanatismo”.

O problema é que às vezes os koreaboos acham que estão tão fascinados pela Coreia, mas se limitam apenas à música pop e às novelas, quando a cultura do país é muito mais rica e vai muito mais além disso. Pode ser comparada à situação dos estrangeiros que pensam que o Brasil é só samba e futebol, por exemplo.

O termo koreaboo surgiu na internet, inspirado na gíria pejorativa weeaboo, que por sua vez se deu início nos chans. Weeaboo veio de wapanese, a junção de wannabe com japanese. Resumindo: koreaboo é algo como korean wannabe de um modo cringe.

Deixando claro que ser koreaboo não se resume em ser fã de k-pop, gostar de doramas ou até mesmo da culinária ou do idioma. Mas quando isso se torna uma obsessão, um comportamento cringe, vergonhoso.

Características de um koreaboo:

  • Queria ter nascido coreana(o)
  • Quer ser coreano, mesmo não tendo nascido ou morando na Coreia
  • Acha que a Coreia é o melhor país do mundo e a única opção de moradia/vida/futuro
  • Acha que todo coreano gosta de k-pop
  • Acha que todo coreano parece um ator de drama ou idol
  • Acha que todos os coreanos são como nos doramas
  • Utiliza expressões coreanas em situações do dia a dia, chama todo homem de oppa
  • Quer se aproximar de coreanos apenas por sua nacionalidade

O maior problema disso tudo é a idealização. O koreaboo idealiza a Coreia como um país perfeito, o país dos sonhos — e isso também acontece com os weeaboos e o Japão — só pelo que conhece através da mídia que ele tem acesso. Ou pior, dar biscoito para pessoas apenas porque ela nasceu em determinado país, como aconteceu recentemente com a polêmica dos youtubers coreanos que faziam vídeos roteirizados por um brasileiro e cobraram ingressos de um fanmeeting apenas por serem homens coreanos.

Pode soar ofensivo ou até assustador para alguns coreanos. Alguns coreanos podem pensar que koreaboos estão se aproximando deles apenas por interesse, seja para saber mais sobre o país, sobre a cultura, mas não pela pessoa que são independente de sua nacionalidade. Vou apenas deixar aqui alguns trechos de relatos traduzidos de um tópico num fórum onde a discussão era “Os coreanos ficam irritados com koreaboos?”.

Eu tinha um colega de escola na escola secundária que era um grande koreaboo (ainda é lol). Ela vinha até mim e falava coreano quebrado, tentando iniciar uma conversa comigo.

No meio da noite, ela me pedia para ensiná-la a fazer maquiagem de ulzzang e como dizer isso e aquilo em coreano para que, quando fosse a shows, pudesse falar com seus ídolos favoritos. Eu, sendo tão mal-intencionada quanto eu sou, a segui e a ensinei o oposto do que ela queria dizer. Ela também tentava se comunicar comigo em coreano, mas usava o Google Tradutor. Era tão óbvio! Eu tinha outra amiga que era uma grande koreaboo. Eu parei de falar com ela depois de descobrir que ela era apenas minha amiga porque eu era coreana.

Essa amiga em particular era uma fã ávida do BTS e estava apaixonada pelo Jungkook. Ela falava coisas desagradáveis como sexualizar Jungkook e dizer que queria explodir o “jungc*ck” dele e merd* assim. Foi humilhante.

Ela sempre fazia essa maquiagem de ídolo brega do k-pop de 2010 e me perguntava se ela parecia coreana. Fomos a um restaurante coreano uma vez, e ela começou a pedir em coreano quebrado. O garçom nem era coreano, ele era chinês. Aquele pobre garoto parecia tão confuso. O gerente teve que intervir e ele era coreano, então imediatamente ela começou a me tagarelar sobre o quão bonito ele era. Tipo, wtf, ele era parecia o Park Myung-soo sem óculos.

Chegou a um ponto em que ela começou a fantasiar sobre meu irmão e dizer que todos os caras coreanos eram românticos. Tornou-se então uma obsessão. Ela mandava uma mensagem para meu irmão através de kakao, esperava por ele fora da escola, seguia-o e ligava para o telefone de casa apenas para ouvi-lo dizer “olá”.

Stalkers e koreaboos têm algumas coisas importantes em comum: os dois acham que estão apaixonados.

Perseguidores pensam que estão apaixonados por você.

Os koreaboos acham que estão apaixonados por sua cultura.

Eles aprendem sobre você/sua cultura através de fontes de 2ª e 3ª pessoa:

Os perseguidores conhecem as qualidades superficiais sobre você, geralmente adquiridos na internet, e possivelmente seus amigos.

Koreaboos conhecem as qualidades do nível da superfície sobre a sua cultura, geralmente adquiridos nos k-dramas, k-pop e na internet.

Ambos pensam que o conhecem muito melhor do que realmente:

Perseguidores: Como eles não conheceram “o verdadeiro você”, eles têm um ar pseudofamiliar sobre eles, que é inquietante e assustador.

Koreaboos: Como eles não conheceram “sua verdadeira cultura”, eles tentam agir como coreanos, mas parecem estranhos e constrangedores.

A lista continua.

Quando um koreaboo encontra um coreano, geralmente é muito parecido com quando um perseguidor encontra sua vítima: eles são extraordinariamente amigáveis, pensam que sabem muito sobre você quando não sabem e geralmente ficam um pouco obcecados por você; e tudo isso vindo de um aparente estranho. Isso é quase sempre universalmente perturbador.

E abaixo uma compilação cringe de koreaboos:

Eu adoro esse meme. Só quem viveu sabe, Gabi!

Lembrem-se, amiguinhos, curtam suas coisinhas de modo saudável! E bebam água. Até a próxima!

😒

Tags

Compartilhar

  • Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Telegram
Você precisa ativar seu JavaScript para acessar os comentários...
Voltar ao topo