Pular o menu
 

Made in Ásia

A Sexta-feira 13 no Japão também é um dia de azar?

:: 4 minutos de leitura

Um dia cheio de lendas e superstições não poderia passar em branco. Aqui no Brasil muitos evitam escadas e espelhos, mas será que ocorre no Japão também? Confira!

Fany-ChanAutor(a)

A Sexta-feira 13 no Japão também é um dia de azar?

Yoo, estamos de volta com mais um Made in Ásia! Essa semana, como podem ver no calendário, temos uma bela sexta-feira 13! E por que não falar um pouquinho desse dia que é cheio de superstições…

Tanto para nós aqui do Brasil, quanto para vários países ocidentais, a sexta-feira 13 é vista como um dia de mau agouro. Devemos tomar cuidado com tudo. Mas já parou para pensar se no Japão isso também ocorre? Ficou curioso? Então coloquem os cintos e se preparem, pois a viagem de hoje é para o Japão!

Decolando…

Sexta-Feira 13, esse é o dia que muitos desejam nem sair de casa por medo de que algo aconteça. São escadas, espelhos, gatos pretos e tantos outros objetos e animais que podem dar azar que chega a ser um dia bem estressante.

Mas por que a sexta-feira 13 possui essa fama de ser um dia de má sorte?

Bom, se você está achando que isso está ligado aos países asiáticos, desculpe, mas não está.

A crença do 13 ser um número de azar para nós do ocidente surgiu nos países nórdicos através de uma lenda em que foram convidados para uma ceia 12 deuses. Mas para a surpresa de todos, Loki, o deus nórdico da travessura e da discórdia, apareceu, sem ser convidado, no banquete e provocou brigas que acabaram na morte de Balder, o favorito dos deuses.

E foi assim que surgiu a superstição de que convidar 13 pessoas para um jantar era ruim.

A Sexta-feira 13 no Japão também é um dia de azar?

Também dos países nórdicos, há a lenda da deusa Friga, deusa nórdica do amor e da beleza (seu nome deu origem à palavra friday, sexta-feira em inglês), que passou a ser considerada uma bruxa após a conversão das tribos nórdicas ao cristianismo.

Como vingança, todas as sextas-feiras, a deusa convidava doze bruxas mais o próprio “coisa ruim” para rogar pragas sobre a sociedade. Reparou na quantidade de participantes? Isso aí… são treze.

Além dessas crenças há várias outras envolvendo o número treze e a sexta-feira. Até no catolicismo estes são vistos como problemáticos. Para ter uma ideia, adivinha quantas pessoas estavam à mesa na última ceia? E o dia em que Jesus foi crucificado?

 

Então os japoneses acreditam também na sexta-feira 13?

A resposta: Não!

Como você já deve ter reparado, os japoneses não possuem nenhuma ligação direta com as duas culturas citadas anteriormente, portanto, não acreditam no azar desse dia. Este é apenas mais um dia comum, como para muitos até daqui.

A Sexta-feira 13 no Japão também é um dia de azar?

Ok, eles não acreditam no azar da sexta 13, mas possuem muitos outros dias que podem até superar esta.

O antigo calendário, o Rokuyo, popular na Era Edo e originário da China, tinha a função de prever os dias de mau agouro para determinadas ocasiões.

O sistema era baseado em uma semana de seis dias (cada um com um significado) e estes eram calculados seguindo a sequência abaixo, menos nos primeiros dias dos meses do antigo calendário lunar associados aos mesmos do Rokuyo.

Sakigachi (Senkachi ou Sensho; a vitória, caso antecipe) – sorte de manhã, azar à tarde; dia ruim para funerais.

Tomoboki (puxar o amigo) – sorte durante o dia, azar ao meio dia; neste é bom ficar longe funerais observou a tradução? Mas é bom para casamentos, visitas e presentear.

Sakimake (Senmake ou Senbu; a derrota, caso antecipe) – azar de manhã e sorte à tarde; dia de agir com cautela.

Butsumetsu (a morte de Buda) – azar o dia todo; dia ruim para inaugurações, casamentos e outras festividades, mas bom para enterros.

Taian (grande tranquilidade) – O Dia da Grande Paz; o dia de maior sorte, ótimo para qualquer festividade.

Shakku (Shakko ou Jakko; boca vermelha) – azar durante o dia, sorte ao meio dia; evita-se casamentos e enterros somente ao meio dia.

 

A Sexta-feira 13 no Japão também é um dia de azar?

 

Números de azar no Japão

Ao invés do 13 os japoneses correm do 4 e 9, tanto é que em muitos prédios, não há apartamentos e nem andares com esses números, principalmente o 4 e suas variações.

Isso ocorre por causa de suas pronuncias. O 4, por exemplo, pode ser pronunciado como “shi”, que também significa morte. E o nove pronuncia-se “kyu” e teve o azar de ser associado à palavra sofrimento (kuruhimi).

As variações do quatro também sofrem com esses duplos sentidos. O 24 “nishi” pode ser traduzido como “morte em dobro”. Nem o 420 escapou, sua pronuncia é “shinirei” e soa semelhante à “shinrei” que significa “espírito morto”.

A Sexta-feira 13 no Japão também é um dia de azar?

 

…Pousando

Nossa viagem já chegando ao fim… Mas fiquem tranquilos, pois na última sexta do mês estamos de volta, sendo um dia de azar ou sorte.

E para essa sexta-feira 13 fica a dica: protejam os gatinhos pretos, dizem que eles trazem azar, mas isso é pura superstição, lenda. Eles não merecem sofrer maus tratos por casa de uma data. Portanto, se um gato preto cruzar seu caminho, dê a ele um abrigo, carinho e alimento, pois eles são ótimos companheiros.

A Sexta-feira 13 no Japão também é um dia de azar?

E, por fim, uma sexta13 sem um conto de terror não é uma sexta completa. Por isso, veja abaixo um conto de terror japonês (legendado) sobre um ônibus assombrado que, para o azar de quem entrar nele, possui o número 49. Coincidência? Acho que não.

Até a próxima matéria. O/

😒

Tags

    Compartilhar

    • Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Telegram
    Você precisa ativar seu JavaScript para acessar os comentários...
    Voltar ao topo