Papo Otaku

Ao no Exorcist – Voltando com um Anime que Impressiona Qualquer Otaku

:: um minuto de leitura

O Papo Otaku dessa semana vai falar de um dos mais conhecidos anime e mangá Ao no Exocist. Rin, Yukio dentre outros são os protagonistas dessa matéria. Confira!

Ao no Exorcist - Voltando com um Anime que Impressiona Qualquer Otaku

Essa semana no Papo Otaku irá falar do anime que mais me agradou.

Gêmeos exorcistas e filhos do rei do submundo, conhecidos como Rin e Yukio Okumura são os protagonistas do Anime e mangá Blue exorcist ou Ao no Exorcist.

A historia se passa em Assiah e Gehenna (isso relembra Devil May Cry) Assiah é onde os humanos vivem e Gehenna é o lugar dos demônios.

Rin e Yukio sofrem praticamente bullying por serem filhos do Satã, em minha opinião os amigos que eles têm acabam ficando com medo e não desprezando os dois.

Nas brigas que o grupo dos gêmeos entra me chamam a atenção até porque existem invocamentos, lutas de espadas, armas e recitação de trechos bíblicos que aos olhos de religiosos são macabros e demoníacos.

Ao primeiro episodio que eu vi conseguir ficar com medo pensando que o anime seria mais demoníaco do que o normal. 

O que mais me impressionou foi o fato de ser uma mangaká que criou algo tão espetacular a ponto de chamar a minha atenção (não desvalorizando o trabalho feminino, mas o fato de algo meio macabro ser feito por uma mulher).

Kazue Kato é a criadora dessa linda obra, o anime foi criado contendo 25 episódios que pra minha tristeza e de muitos outros fãs é claro, mas o mangá é publicado pela Jump Square

Existe um filme de Ao no Exorcist lançado em Dezembro (28) do ano passado, mas não existe nenhuma informação a não ser essa, vai demorar um pouco para ser legendado para nós.

Para quem gosta de anime de ação suspense e algo macabro aconselho a ver e quem já viu aconselho a ver de novo.

Caso tenham se interessado pela obra de kazue, podem conferir um vídeo sobre o anime abaixo:


Tags

    Compartilhar

    • Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Telegram
    Você precisa ativar seu JavaScript para acessar os comentários...
    Voltar ao topo